Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

Adultos devem mediar leitura de livros digitais para crianças

Publicado em: 10/10/2016
​Veículo:Folha de São Paulo /Online 

 A leitura em meio digital tem se popularizado aos poucos. Apesar de pediatras recomendarem que menores de 2 anos não tenham contato com telas de TV, tablet e celular, crianças têm tido acesso cada vez mais cedo a esse tipo de tecnologia.

Segundo o Itaú Social, cabe aos pais controlar o tempo de exposição e selecionar o conteúdo a que os filhos terão acesso.

"Na perspectiva de leitura para criança pequena, é cada vez mais comum ver livros digitais que combinam movimento com texto. E essa é uma realidade que veio para ficar", afirma Eduardo Marino, gerente de Conhecimento Aplicado da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal.

O importante na leitura digital infantil, segundo Marino, é que o adulto faça o papel de mediador. Não é para largar o celular na mão da criança.

"O adulto precisa responder a perguntas e interagir. Ao ouvir a voz do pai ou a da mãe, a criança vai se vinculando à história", explica a presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria, Luciana Rodrigues.

Com esse objetivo, a campanha "Leia para uma Criança", da Fundação Itaú Social, utilizará plataformas digitais para disseminar o hábito da leitura, distribuindo histórias infantis em celular ou tablet.

O mercado editorial infantil já percebeu a necessidade de oferecer produtos em meio digital para seu público. A venda desses livros ainda representa pouco do faturamento das editoras no país (foi de 3,5% em 2014 para 4,27% em 2015, segundo o PublishNews), mas a tendência é de crescimento.

A Leiturinha, clube de assinatura de livros infantis, percebeu o movimento e liberou, no seu aplicativo, o acesso a uma biblioteca digital. "Se vou viajar, não consigo carregar a biblioteca da minha filha comigo, mas posso levar meu celular ou meu tablet, que dão acesso a esses conteúdos", diz Rodolfo Reis, sócio do clube.

A pesquisa Retratos da Leitura, realizada este ano pelo Ibope, mostra que 34% dos leitores já leram publicações digitais. Os meios mais utilizados são os smartphones (56%), seguidos dos computadores (49%) e dos tablets (18%).

"Estamos vivendo uma nova forma da construção do conhecimento, não dá para negar. Os vestibulares estão exigindo isso, e os jovens estão encontrando formas de adquirir essa experiência", afirma Marino.

Para Carlo Carrenho, fundador do PublishNews, o livro digital por si só não vai aumentar a base de leitores, mas deve eliminar barreiras geográficas, facilitando e democratizando o acesso à leitura.

"É cada vez mais comum ver livros digitais que combinam movimento com texto"
Eduardo Marino, gerente da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal





 

 Comentários

 
Nenhum comentário para esta página.
 

 Acervo Relacionado

 
 

 Assine nosso Boletim

 
Seu Nome:
Seu E-mail:
Sua Área de Atuação: