Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

Como inserir sua proposta nas eleições municipais?

Publicado em: 10/08/2016
Veículo:Politize
 
voto-proposta-eleicoes-municipais-2016.jpg

As eleições municipais são um momento importante para promover debates e reflexões sobre o que queremos para o futuro de nossas cidades. Muitas pessoas certamente são cheias de ideias sobre como resolver problemas que afetam a qualidade de vida em suas localidades.

A questão é: como promover essas ideias e fazê-las alcançarem os candidatos? Fazer a voz da população ser ouvida ainda é um desafio, mesmo em uma época de comunicação instantânea. Por quais mecanismos, afinal, podemos pressionar os nossos representantes?

Este texto servirá como suporte para que você consiga definir os meios a serem utilizados para atingir esse objetivo. Como você verá, existem diferentes formas de pressionar os candidatos em uma eleição e fazer com que eles assumam compromissos reais, que serão levados adiante caso eles sejam eleitos. Vamos conhecer esses instrumentos de mobilização?

A petição pode ser definida como um pedido feito a autoridades do governo, assinada por um grupo de cidadãos. Esse pedido pode ser feito por escrito, oralmente ou mesmo pela internet. A Constituição Federal garante o direito de petição a todos os cidadãos brasileiros.

As petições funcionam?

A grande vantagem desse instrumento é que é uma forma fácil de registrar e de comprovar o interesse de uma parcela significativa da população na resolução de certo problema coletivo. O trabalho de colher assinaturas é relativamente simples, pois não envolve maior comprometimento de quem assinou a petição. Portanto, a petição é uma forma eficiente de amplificar sua demanda.

Ainda existem dúvidas sobre a confiabilidade das petições online. Como em muitas situações há falta de uma certificação da veracidade das assinaturas colhidas, tal formato de petição tende a cair em descrédito.

Mesmo assim, as petições online têm se popularizado como forma de mobilização popular. Em 2012, três ministros da presidente Dilma receberam uma petição feita pela internet, com mais de 2 milhões de assinaturas, pedindo o veto total do Código Florestal.

Às vezes, fazer uma petição por conta própria é trabalhoso e não tem o efeito esperado. Você pode ter dificuldades em fazer seu pedido alcançar um grande número de pessoas, e mesmo assim, essa lista de assinaturas pode ser simplesmente ignorada. Nossos representantes são pessoas bastante ocupadas e precisam de manifestações impactantes.

Agora, imagine que você possa chamar atenção de mais de milhares de pessoas de uma vez só. Não seria incrível poder contar com essa baita ajuda?

Foi pensando nisso que surgiram inúmeras organizações na internet dedicadas exclusivamente a unir pessoas e mobilizá-las para defender causas políticas específicas de municípios.

Grupos como Minha Sampa e Meu Rio elaboram diuturnamente várias campanhas de melhorias nas cidades. Em uma frente, eles angariam o apoio de cidadãos interessados em emprestar seu contato para ajudar a pressionar os políticos, enquanto na outra, eles enviam mensagens no e-mail e outras formas de contato do político em questão.

A existência desses grupos é muito positiva, porque as campanhas tornam-se específicas para cada cidade, são permanentes, organizadas e geram visibilidade aos políticos e agentes públicos, que por vezes podem receber em sua inbox centenas de mensagens de cidadãos demandando certa ação de sua parte.

m exemplo claro de como a abordagem desses grupos funciona: em 2012, a prefeitura do Rio de Janeiro pretendia demolir a Escola Municipal Friedenreich, uma das melhores escolas do Rio. Ela fica próxima ao estádio Maracanã e seu espaço seria usado para uma quadra de aquecimento. Não havia previsões claras de como a escola seria realocada e garantias para os alunos de que não seriam prejudicados.

O grupo Meu Rio realizou diversas mobilizações, tanto nas redes, quanto nas ruas, de modo que a Secretaria de Educação do município voltasse atrás na decisão de demolir a escola. Graças a essa pressão, a escola ficou de pé. Até hoje, o grupo mantém uma página de guardiões, que serão acionados caso a prefeitura voltar a cogitar a demolição.

É claro que a pressão também pode ser feita de maneiras mais tradicionais, como levar centenas de pessoas a um local público (em frente à Prefeitura, por exemplo) para protestar, ocupar uma praça com placas e cartazes, entre outros.

Construa sua cidade dos sonhos

Outra maneira bem legal de fazer sua voz ser ouvida é participar do projeto Cidade dos Sonhos. Nesse site, você pode montar a sua própria cidade ideal. As ideias propostas pelos usuários serão reunidas pelo grupo e levadas aos candidatos às prefeituras, que serão pressionados a apoiá-las.

Nos últimos anos, surgiram no Brasil vários grupos de advocacy, prática que pode ser definida como pressão política por meios diversos. O lobby é a forma mais direta de advocacy: os políticos são abordados face a face por representantes de grupos, empresas ou setores interessados em fazer o político se comprometer com certa demanda.

Os grupos especializados em advocacy possuem contatos nos meios da política e sabem as melhores formas de alcançar os representantes e entregar mensagens de impacto. Trata-se, portanto, de um auxílio profissional para a promoção de sua campanha. Por outro lado, pode ser mais custoso do que outros meios já citados.

Um bom exemplo do uso de advocacy vem do Núcleo Ciência pela Infância (NCPI), promovido pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. O grupo atua na promoção do conhecimento científico nas políticas públicas e programas sociais voltados para o desenvolvimento infantil. O NCPI desenvolveu o Programa de Liderança Executiva, curso que já levou vários políticos a estudar na Universidade de Harvard, de modo a convencê-los da importância da educação infantil integral. Os resultados são impressionantes, como você pode atestar na página do NCPI.

O uso da imprensa pode ser muito eficiente para chamar atenção da população e dos políticos para sua causa. Propagandas na televisão, no rádio e jornais são chances valiosas de atingir novos adeptos à sua proposta. A dica é apresentar de forma curta qual sua proposta e como se pretende atingir o objetivo. Por isso, é importante ser conciso e chamar as pessoas à ação.

Um exemplo de uso da imprensa vem do Programa Cidades SustentáveisO grupo preparouspots para rádio e televisão que chamam a atenção dos eleitores para que procurem saber se os candidatos firmaram compromisso com ações de sustentabilidade. Com essa ação, a causa do grupo tornou-se mais conhecida, tanto pelos eleitores, quanto pelos próprios candidatos.

QUESTÕES PARA LEVAR EM CONTA

Para que sua ação seja mais efetiva, é preciso determinar algumas questões importantes:

  • Qual a sua proposta de política pública para seu município? Que problemas ela ataca, e qual é o apelo popular que ela desperta?
  • Quem é o alvo da mobilização? Dependendo do tipo de proposta, é melhor abordar candidatos a prefeito, candidatos a vereador, ou mesmo ambos os tipos de candidato.
  • Quem você deve mobilizar? Quais dos meios acima você pretende utilizar para mobilizar as pessoas necessárias e efetivamente influenciar o candidato a assumir aquela bandeira ou proposta?
  • Quais recursos você dispõe? Quem você conhece que poderia ajudar?

 

 Comentários

 
Nenhum comentário para esta página.
 

 Acervo Relacionado

 

    Nenhum resultado encontrado para .
    Podemos realizar a mesma pesquisa em todos os nossos canais, deseja continuar ?

 

 Assine nosso Boletim

 
Seu Nome:
Seu E-mail:
Sua Área de Atuação: